quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

DE MANHÃ, RESSUSCITAREI

Adoro destruir-me.
Destruir-me-ei mil vezes.
Mas não como Cristo.
Que não ressuscitou.
Jamais!
Ressuscitarei como a manhã
Que levemente beija a folha da maçã.
E cairei
de podre!

4 comentários:

medusa que costura insanidades disse...

Oi Lauro
Deixou este no meu blog.....muito bonito
falo pouco hoje porque também apodreço
bjos
e duas coisas:
obrigada pelo elogio
e será que vc poderia me mandar aquela música "ameaçando a escuridão"....? não abre mais no seu antigo blog

medusa que costura insanidades disse...

postei algo hoje no meu blog
"aviso degolado".....se tiver vontade passe por lá
inté

Walmir disse...

Grande poema, rapaz.
Um amigo meu, o Fáio Lucas, escritor e tal, costuma dizer: "vou de vitória em vitória até a derrota final". Lembrei-me dele lendo seu poema.
Estou de volta após ferias.
Paz e bom humor
walmir
http://walmir.carvalho.zip.net

Lauro disse...

Valeu Walmir... é um poeminha, só, na verdade... gostei da frase do seu amigo, "até a derrota final". Abraços e volte sempre!