quarta-feira, 26 de outubro de 2005

Chuva de pétalas

Segundo estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, cerca de 1% dos brasileiros mais ricos (1,7 milhão de pessoas) detêm uma renda equivalente à renda dos 50% mais pobres (86,5 milhões). País está na frente só de Serra Leoa, na África, no ranking da desigualdade social. Alagoas é o Estado com mais pobres.
Marco Aurélio Weissheimer, da Agência Carta Maior


http://www.observatoriosocial.org.br/portal/content/view/189/89/

Por
Orual Seuqram


Chuva de pétalas amarelas na Praça da Sé. Pára o tempo um instante. —E a sujidade.
Sem tempo para pesar, o homem cruza o semáforo. Antes que lhe atropelem os carros, os bondes elétricos e os motoboys. Outros apenas se arrastam, literalmente, pelo chão. Uns estão sentados mas não sentem. Alguns estão entorpecidos pelo álcool. Outros não têm nada, simplesmente. E deixam tombar a cabeça por entre as pernas, como avestruzes. Há vários nessa mesma posição, ao longo dos bancos da praça, perto da fonte de águas poluídas, onde se banham crianças, na maioria, pardas. Alguns estão cobertos de lama da cabeça aos pés e passam, barbados, carregando um fedor enorme. Parece que tudo piora quando faz sol. Há pregadores na praça. Traçando com giz seu território. Dá a impressão que brincam de “amarelinha”, mas não é nada disso. Há cenas de teatro puro. A um sinal, eles batem palmas juntos. Eles, os que não têm nada. “Isso é o Brasil”. Os policiais tentam expulsar a chutes os camelôs, a mão na cintura segurando a arma no coldre. Na frente da igreja, o povo se reúne. Um lugar totalmente inacessível, a Catedral. Um homem com um microfone anuncia o seu produto: remédio para curar “lombrigas”. Estas são diversas, medem de 20 a 40 centímetros, e estão expostas à frente dele numa espécie de aquário, ou potes de vidro contendo um líquido de cor fosca, lembrando compota e laboratório. Ao redor se junta um número considerável de pessoas. Ele pede então a “quem souber ler” que leia onde está escrito quantos ovos um só desses vermes põe dentro de nosso estômago. Há cistos também expostos, curáveis, segundo ele, por meio da fórmula milagrosa. “A primeira dosezinha é grátis”. Uma garapa imunda preparada ali mesmo, na hora, na "farmácia" improvisada.

4 comentários:

Marília disse...

Essas praças são realmente deprimentes.E concordo que tudo piora quando está muito calor.

Lauro disse...

Oi Marília, sim, e ao redor da praça também é.
Abraços

IJ Abutre disse...

Muito legal a rápida publicação de sua leitura do "Ecce Homo" na Bula. Gostei da cara da revista. Ótimo saber desses canais de publicação. Parabéns. Estou me organizando, talvez a minha melhor maneira de matar o tempo com dignidade e paixão é mesmo elaborando e disseminado idéias. Abraço.

Lauro disse...

Legal, Bispo, obrigado pelo comentário, você tem muitas idéias boas, então... Ah, eu agora estou com uma coluna semanal nessa revista Bula, todas as quartas uma "receita" diferente.
abraços
Lauro