segunda-feira, 31 de outubro de 2005

Revista Bula - Coluna toda quarta

Virei colaborador semanal da Revista Eletrônica Bula, mantida pela Universidade Estadual de Goiás, que tem como um dos fundadores-editores o jornalista e poeta Carlos Willian.

Procurem no índice a seção "BLOG - LAURO MARQUES" :

http://www.revistabula.com/artigo4.asp

E TAMBÉM A SEÇÃO "RECEITA LITERÁRIA"

http://www.revistabula.com/receitaliteraria.asp

O endereço da página principal da revista é:
http://www.revistabula.com

"Toda quarta-feira uma receita diferente".






Onde escreverei textos iguais ao que posto aqui no blog, fragmentos de teoria, ensaios beirando a crônica, e,espero, poesia (alguma).

7 comentários:

Soares Feitosa disse...

Muito boa notícia. Tem meu «Nihil obstat», aliás, o «Imprimatur»!

ricardo disse...

Gostei muito do texto sobre N. Muita coisa eu nem sabia, tinha o livro aqui em casa. li alguns trechos na biblioteca da UFRN, mas não todo. Fiquei no Zaratustra e no Anticristo. Li-os muito novo eu acho.
Mas gostei mesmo do estilo do que vc escreveu, quase em "estilo familiar" que é, ou pelo menos era, a mais alta forma de prosa chinesa, i.e escrever como se estivesse falando com um amigo ou com um parente próximo... não sei se tem uma idéia no idioma chinês equivalente a "sem frescura" mas é isso.
Falando em livros o google está disponibilizando o acervo online da biblioteca de Noviorque e mais uma porrada de outras o endereço é http://print.google.com/, dá pra achar muito coisa, tudo em inglês que é língua de gente ao contrário do alemão, os mais antigos completos.
fui.

Lauro disse...

Ricardo véio, gostei muito do que vc comentou. Frescura é coisa que não admito em escrita. Quem comeu de Bukowski e Francis não se permite jamás. E prosa chinesa, adorei isso. Olhe, por
acaso ontem vi dois livros daqueles que nos interessam, o primeiro de Fante, "A caminho de los angeles" e uma nova tradução de poesia de Buko,com um título maravilhoso, que os vinhos e a cerveja que tomei com Bob,
que encontrei também por acaso num bar perto daqui de casa, de namorada nova, uma loura catarinense, que achei gente, eu dizia, o álcool lavou, mas depois procuro no saite da cultura, acho que vou comprar o livro.
Comprei um de Valery, que é outro estilo, mas também não tem frescura.
Já tem outro ensaio na revista Bula, passo a escrever toda quarta, procure no índice a seção "BLOG - LAURO MARQUES" :

http://www.revistabula.com/artigo4.asp

Ah Braços!
a nose that laughs
;>)

Ricardo disse...

Li rumo a Los Angeles, long time a go. Fante as vezes é irritante na sua poesia do quase, do "me amo potência, me odeio em ato", não sei se ele leu Fernando Pessoa mas se aplica, o cara tá sempre quase comendo a mexicana, quase sendo publicado, quase cometendo um crime... irrita pelo sentimento de impotência que ele transmite e que nos lembra das nossas próprias falhas...

Falei.

Lauro disse...

Concordo, também enjoei disso em Pessoa, esse livro de Fante será que vc naõ leu em inglês, eu tenho a impressão que ja li também, mas pensei que era a primeira tradução. Você não está confundindo com Espere até a
Primavera Bandinni? Ou será que sou eu que confundo?

Falou.

Gustavo disse...

ótimo texto, bela prosa poética, não conhecia essa revista por cá, e por cá se comenta muito de literatura, principalmente na web, gostei muito lauro.
agora, deixa navegar mais na revista, antes, deixa eu perguntar: o que vc achou do livro do alex? vc leu? só não gostei do capítulo final...

se cuida, beijos

gustavo.

Lauro disse...

Fala aí amigão, brigado, eu não li! Quero ler, como chama mesmo, qual a editora (Sulinas?), vc achou ele fácil em BSB?
P.s. já tem outro ensaio lá, Procure no índice a seção "BLOG - LAURO
MARQUES" :

http://www.revistabula.com/artigo4.asp
Toda quarta uma receita diferente.
Te cuida também, manda uns links de revistas interessante, keep in touch,
man!
Ah Braços
a nose that laughs