terça-feira, 6 de setembro de 2005

Achados e perdidos

Venha para Sé e perca a Fé.
Conheça o Desespero.
Sexta, sete da noite, no som da lojinha de cds Renato Russo tocava e cantava "Quando tudo está perdido..." para os mendigos da praça.
Chovia e era São Paulo.
Eu também fecho com os bêbados da praça, Gustavo*.

Gustavo Castro*

Pois vos digo de quem gosto.

Gosto dos bêbados e dos viciados,
e dos que se confundem com o lixo.
Dos que dormem sob marquises
e bebem para viver de morte.
Gosto dos bêbados com sua pele alva,
gélida, pálida, inchada e lívida.
Gosto também dos que fodem devagar
expressando o sabor dos que gozam gostoso.
Gosto dos que sabem que para cima é que se anda.
Gosto dos que nunca perdem a alegria e suportam
com ironia o peso dos imbecis.
Gosto dos que se fiam em sonhos
e dos que dançam
e dos que dizem:
´´deus dança em mim``
porque já se sabem divinos.
Gosto dos anônimos, dos velhos das cidades do interior,
das mulheres que gostam de cozinhar,
dos que oferecem aquilo que lhes resta.
E sobretudo gosto de crianças,
e das crianças que são meus filhos.

Ah... as crianças,
se eu soubesse como amá-las de fato,
se eu soubesse ser pedófilo de fato
...E ainda assim angelical!

Um comentário:

Niko disse...

Não sei se vais ler alguma vez este meu comentário, mas quero que saibas que adorei! Um abraço!